coupons for amazon

myntra coupons

flipkart discount coupons

makemytrip offers

globalnin.com

No âmbito da prevenção da utilização do sistema financeiro para efeitos de branqueamento de capitais ou de financiamento do terrorismo, a Lei nº 89/2017, de 21 de agosto, introduz o Regime Jurídico do Registo Central do Beneficiário Efetivo (RCBE).

Por conseguinte, os documentos que formalizem a constituição de sociedades comerciais devem conter a identificação das pessoas singulares que detêm, ainda que de forma indireta ou através de terceiro, a propriedade das participações sociais ou, por qualquer outra forma, o controlo efetivo da sociedade.

Neste sentido, as sociedades comerciais devem manter um registo atualizado dos elementos de identificação:

a) Dos sócios, com discriminação das respetivas participações sociais;

b) Das pessoas singulares que detêm, ainda que de forma indireta ou através de terceiro, a propriedade das participações sociais;

c) De quem, por qualquer forma, detenha o respetivo controlo efetivo.

Esta informação deve ser suficiente, exata e atual, bem como comunicada às entidades competentes. Quando exista, deve ser recolhida a informação do representante fiscal das pessoas mencionadas.

Para o efeito, os sócios fusão obrigados a informar a sociedade de qualquer alteração aos elementos de identificação nele previstos, no prazo de 15 dias a contar da data da mesma. A sociedade também poderá notificar o sócio para, no prazo máximo de 10 dias, proceder à atualização dos seus elementos de identificação. O incumprimento injustificado do dever de informação pelo sócio, após a notificação mencionada, permite a amortização das respetivas participações sociais. Adicionalmente, o incumprimento de manter um registo atualizado dos elementos de identificação do beneficiário efetivo constitui contraordenação punível.

Encontram-se sujeitas ao RCBE, entre outras, as seguintes entidades:

i) As associações, cooperativas, fundações, sociedades civis e comerciais, bem como quaisquer outros entes coletivos personalizados, sujeitos ao direito português ou ao direito estrangeiro, que exerçam atividade ou pratiquem ato ou negócio jurídico em território nacional que determine a obtenção de um número de identificação fiscal em Portugal;

ii) As representações de pessoas coletivas internacionais ou de direito estrangeiro que exerçam atividade em Portugal;

iii) Outras entidades que, prosseguindo objetivos próprios e atividades diferenciadas das dos seus associados, não sejam dotadas de personalidade jurídica.

Em sentido oposto, existem entidades excluídas do RCBE, como seja o caso das sociedades com ações admitidas à negociação em mercado regulamentado, sujeitas a requisitos de divulgação de informações consentâneos com o direito da União Europeia ou sujeitas a normas internacionais equivalentes, que garantam suficiente transparência das informações relativas à titularidade das ações.

Constitui dever das entidades elegíveis do RCBE declarar informação suficiente, exata e atual sobre os seus beneficiários efetivos, todas as circunstâncias indiciadoras dessa qualidade e a informação sobre o interesse económico nelas detido.

A declaração pode ainda ser efetuada por:

a) Advogados, notários ou solicitadores;

b) Contabilistas certificados, em decorrência da declaração de início de atividade ou quando estiver associada ao cumprimento da obrigação de entrega da Informação Empresarial Simplificada.

A declaração do beneficiário efetivo deve conter a informação relevante sobre:

i) A entidade sujeita ao RCBE;

ii) No caso de sociedades comerciais, a identificação dos titulares do capital social, com discriminação das respetivas participações sociais;

iii) A identificação dos gerentes, administradores ou de quem exerça a gestão ou a administração da entidade sujeita ao RCBE;

iv) Os beneficiários efetivos;

v) O declarante.

A obrigação declarativa é cumprida através do preenchimento e submissão de formulário eletrónico. Em alternativa, a declaração do beneficiário efetivo pode ser concretizada num serviço de registo, mediante o preenchimento eletrónico assistido, conjuntamente com o pedido de registo comercial ou de inscrição de qualquer facto no Ficheiro Central de Pessoas Coletivas.

Regra geral, a declaração inicial do beneficiário efetivo é sempre efetuada com o registo de constituição da sociedade ou com a primeira inscrição no Ficheiro Central de Pessoas Coletivas, consoante se trate ou não de entidade sujeita a registo comercial.

Quando uma entidade que se encontre originariamente excluída do dever de declaração de beneficiário efetivo fique sujeita ao cumprimento dessa obrigação deverá proceder à declaração de beneficiário efetivo, incluindo as alterações decorridas desde o momento da cessação da exclusão, no prazo máximo de um mês contado a partir da data do facto que determina a sujeição a registo. De igual modo, qualquer informação constante no RCBE deve ser atualizada no mais curto prazo possível, mas sem nunca exceder 30 dias contados a partir da data do facto que determina a alteração.

A confirmação da exatidão, suficiência e atualidade da informação sobre o beneficiário efetivo é feita através de declaração anual, até ao dia 15 do mês de julho. As entidades que devam apresentar a Informação Empresarial Simplificada efetuam a declaração mencionada juntamente com aquela. Considera-se como data da realização da declaração inicial, da declaração de confirmação anual ou da declaração de alterações a data da respetiva submissão por via eletrónica. A conclusão do procedimento é comunicada por correio eletrónico ao declarante e à entidade, desde que para o efeito tenha sido indicado um endereço válido.

Make it Bizz. Todos os direitos reservados.

Peça Informações

Nós ligamos

globalnin